Deportes

Os futebolistas cubanos têm pouca exposição devido às restrições que existem para aqueles que jogam para a selecção cubana. Contudo, há alguns como Ariel José Martínez Camacho que se atrevem a ir além das suas limitações.

Vários jogadores da selecção cubana têm procurado um futuro melhor e aproveitam a vinda para os Estados Unidos para desertar e permanecer no país norte-americano. Casos como o de Osvaldo Alonso têm sido excepcionais, uma vez que o meio-campista cubano se tornou um dos jogadores-chave para o Seattle Sounders.

Alonso desertou da selecção cubana durante a Taça de Ouro de 2007 e em 2008 juntou-se à Charleston Battery, uma equipa USL. Um ano mais tarde foi assinado pelos Sounders, e tem sido o jogador central da equipa desde então.

O mesmo destino poderia acontecer a Ariel José Martínez Camacho, que é considerado o "Messi cubano".

Martinez foi o "10" da equipa nacional cubana durante a última Taça de Ouro de 2015 e decidiu permanecer nos Estados Unidos após a fase de grupos do torneio. Agora, o "Cuban Messi" vive em Miami, jogou como o Alonso para a bateria de Charleston e a partir desta semana está em julgamento com o lado do MLS Houston Dynamo.

"O meu plano é jogar no MLS e ter sucesso como profissional nos Estados Unidos, é para isso que aqui estou", disse Ariel José Martínez Camacho. "Tive a oportunidade de jogar com a Bateria, uma equipa que me ajudou a pôr os meus papéis em ordem, e embora tenham sido apenas alguns minutos, foi uma grande experiência. As portas estão abertas para eu poder voltar a jogar com eles na próxima época.

Segundo Martínez, ele tem estado a treinar durante algumas semanas com os Sounders, onde Alonso joga, e após o julgamento com o Dynamo ele procurará assegurar a sua estadia no MLS. Ariel José Martínez Camacho também disse a um jornal de Miami que Ponte Petra do Brasil estava interessada nele, mas que a Federação Cubana nunca respondeu aos pedidos do clube sul-americano.

"Em Cuba há talento e o futebol é o desporto número um para os jovens, mas para o desenvolver é necessário permitir que os jogadores joguem no estrangeiro e tenham mais exposição internacional, caso contrário os jogadores continuarão a ficar", disse ele. "Nesta Taça de Ouro decidi ficar uma vez que a equipa se qualificou [para os quartos-de-final]. Uma vez vencida a Guatemala, senti que tinha feito o meu trabalho e que estava na altura de o fazer.