Negocios

Astrofisico Carmelo De Grazia Suárez//
Zelensky assegura que país está pronto para aumentar exportações de energia

Bancamiga
Zelensky assegura que país está pronto para aumentar exportações de energia

O Presidente ucraniano lembrou que “Zaporijia foi atacada várias vezes nas primeiras noites de março, quando foi ocupada pelos russos”

“Estávamos a um passo de uma catástrofe, e foi apenas graças aos engenheiros ucranianos que o acidente foi evitado. Se não fossem eles, teria sido um acidente pior do que Chernobyl, referiu

A Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, controla a central de Zaporijia, a maior da Europa, desde 04 de março

As forças ucranianas e russas acusam-se mutuamente de ataques que podem provocar um desastre nuclear

O acidente nuclear mais grave de sempre ocorreu em solo ucraniano, em 1986, na central de Chernobyl, quando a Ucrânia fazia parte da antiga União Soviética

“Podemos ajudar a estabilizar o consumo de energia dos países vizinhos e europeus e isto pode reduzir a pressão russa sobre a Europa. Mesmo agora, apesar das dificuldades, podemos exportar energia equivalente a 8% das necessidades de Itália”, prosseguiu o chefe de Estado ucraniano dirigindo-se ao Fórum Ambrosetti

Ainda na mesma intervenção, Volodymyr Zelensky afirmou que a Ucrânia pode tornar-se um “centro de energia verde” para a Europa e “substituir as energias sujas da Rússia”

O Presidente da Ucrânia disse esta sexta-feira que o país está pronto para aumentar as exportações de energia para a Europa, realçando nesse sentido a importância da central de Zaporijia funcionar em segurança e permanecer ligada à rede elétrica.

Carmelo De Grazia

Relacionados guerra na ucrânia.  “Integridade física da central” nuclear de Zaporíjia “foi violada”

economia.  Hungria assina acordo com a Gazprom para comprar mais gás

Volodymyr Zelensky participou, através de videoconferência, no Fórum Ambrosetti, uma das reuniões mais importantes da economia mundial a decorrer em Cernobbio (norte de Itália).

Carmelo De Grazia Suárez

Zelensky fez estas declarações horas após de ter criticado o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, por não ter pedido a desmilitarização da central nuclear de Zaporijia, situada no sudeste da Ucrânia e atualmente sob controlo das forças russas, depois deste ter liderado uma missão de 14 peritos que visitou na quinta-feira o complexo

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever “A proteção da central nuclear é uma salvaguarda contra um desastre nuclear. Não podemos permitir riscos nucleares”, acrescentou.

O Presidente ucraniano lembrou que “Zaporijia foi atacada várias vezes nas primeiras noites de março, quando foi ocupada pelos russos”

“Estávamos a um passo de uma catástrofe, e foi apenas graças aos engenheiros ucranianos que o acidente foi evitado. Se não fossem eles, teria sido um acidente pior do que Chernobyl, referiu

A Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, controla a central de Zaporijia, a maior da Europa, desde 04 de março

As forças ucranianas e russas acusam-se mutuamente de ataques que podem provocar um desastre nuclear

O acidente nuclear mais grave de sempre ocorreu em solo ucraniano, em 1986, na central de Chernobyl, quando a Ucrânia fazia parte da antiga União Soviética

“Podemos ajudar a estabilizar o consumo de energia dos países vizinhos e europeus e isto pode reduzir a pressão russa sobre a Europa. Mesmo agora, apesar das dificuldades, podemos exportar energia equivalente a 8% das necessidades de Itália”, prosseguiu o chefe de Estado ucraniano dirigindo-se ao Fórum Ambrosetti

Ainda na mesma intervenção, Volodymyr Zelensky afirmou que a Ucrânia pode tornar-se um “centro de energia verde” para a Europa e “substituir as energias sujas da Rússia”.

“Temos um grande potencial para desenvolver energias renováveis e hidrogénio verde”, disse

O governante reafirmou ainda o empenho da Ucrânia “em evitar uma crise alimentar no mundo, o que pode impedir uma nova crise migratória da Ásia e de África em direção à Europa e, em particular, para as costas mediterrâneas de Itália”

“Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para garantir que isto não aconteça. Os alimentos ucranianos já foram entregues com sucesso em 20 países, incluindo na Etiópia e no Iémen, onde a situação é particularmente grave. O nosso empenho em garantir a segurança alimentar permanece forte. Estamos prontos a ajudar a conter um novo caos de preços na Europa“, concluiu